[ WATCHMEN ] Uma das Adaptações de HQ Mais Esperadas Finalmente Chega às Telonas


O FIM DOS SUPER-HERÓIS QUE TODO MUNDO CONHECE…

ESSA É A PREMISSA DE WATCHMEN, ADAPTAÇÃO DA HQ CRIADA POR ALAN MOORE E DAVE GIBBONS QUE CHEGA HOJE, 06/03, ÀS TELAS DE CINEMA COM A MISSÃO DE QUESTIONAR O CONCEITO DO SUPER-HERÓI CONVENCIONAL AO MOSTRAR UM GRUPO DE ‘VIGILANTES MASCARADOS’ QUE LUTAM CONTRA O CRIME, MAS QUE TBÉM SÃO PESSOAS COMUNS.

CONTINUE LENDO E DESCUBRA PORQUE WATCHMEN É CONSIDERADA POR MUITOS UM MARCO NA HISTÓRIA DAS HQS. CONHEÇA A HISTÓRIA, OS PERSONAGENS E TBÉM CONFIRA AS FOTOS OFICIAIS!

Como seria uma história de super-heróis no mundo real?

Era justamente essa a intenção de Alan Moore quando começou a criar o que hoje é considerada a ‘bíblia’ dos quadrinhos, WATCHMEN. Junto a Dave Gibbons, Moore procurou retrarar de forma mais madura e verdadeiramente possível, os super-heróis como indivíduos reais, cheias de problemas, traumas e crises, que enfrentam problemas éticos e psicológicos, lutando contra neuroses, defeitos e vaidades.

Ao misturar uma trama repleta de drama, crime e aventura, com temas e referências relacionados à filosofia, ética, moral, cultura popular e de massas, história, artes e ciência, WATCHMEN questiona o conceito de “super-herói” comum nos quadrinhos populares, e a partir daí, manifestar-se sobre questões diversas. Percebe-se, inclusive, que ao longo da história (e até os próprios personagens) evita-se utilizar-se da expressão “super-herói”, preferindo termos como “aventureiros fantasiados” ou “vigilantes mascarados”.

WATCHMEN é considerada um marco importante na evolução dos quadrinhos nos Estados Unidos justamente por introduzir uma abordagem mais madura e menos comercial, superficial, como eram as história de heróis já famosas na época. Esse novo formato foi o que atraiu o interesse do público adulto para o formato, até então considerado infanto-juvenil e ainda ajudou a popularizar o formato conhecido como ‘graphic novel’.

Sucesso de crítica e de público, faturou os Prêmios Kirby e Eisner, além de uma honraria especial no tradicional Prémio Hugo, voltado à literatura e é até o momento a única graphic novel a conseguir tal feito. WATCHMEN também é a única história em quadrinhos presente na lista dos 100 melhores romances eleitos pela revista Time desde 1923.

———————————

“O que queríamos fazer é mostrar essas pessoas com suas falhas e tudo o mais. Mostrar que mesmo o pior deles tinha algo de bom, e que mesmo os melhores possuíam seu lado negro”

Alan Moore

———————————

Em 1985, a DC Comics adquiriu a linha de personagens da Charlton Comics. Durante este período, Alan Moore tinha a intenção de fazer uma série estrelada por esses personagens, mas fazendo algumas modificações e tal. O roteiro de mistério envolvia um assassinato e Moore acreditava que não tinha importância quais personagens ele acabasse usando enquanto os leitores os reconhecessem. O projeto foi intitulado “Who Killed the Peacemaker” e foi enviado ao editor da DC, Dick Giordano. Este, apesar de ter gostado da história, tinha outros planos para os personagens da Charlton. Então, ele convencer Alan Moore a retrabalhar o projeto com personagens inéditos. A princípio, Moore achou que isso ia atrapalhar sua intenção, mas depois, uma mexida aqui, outra ali, novos nomes e visuais e ops, surgiu WATCHMEN.

O desenhista Dave Gibbons, que já tinha trabalhado anteriormente com Alan Moore, ficou sabendo da nova história que ele preparava e pediu pra participar. Moore mandou um esboço geral da história e passada algumas negociações, Gibbons foi aceito e trouxe consigo John Higgins. Len Wein entrou para a equipe como editor, enquanto Giordano permaneceu como supervisor.

Originalmente, Moore e Gibbons tinham roteiro para apenas seis edições. Pra compensar, inseriram entre a história, aspectos sobre os personagens principais. Gibbons teve liberdade pra desenvolver o estilo visual de WATCHMEN, inserindo detalhes que Moore admitiu só perceber mais tarde. Segundo eles: foi feito para ser lido e compreendido totalmente somente após diversas leituras. Hum…

WATCHMEN foi publicada originalmente em doze edições mensais pela DC Comics entre os anos de 1986 e 1987. Aqui no Brasil, a Editora Abril fez uma junção, e publicou a minissérie em seis edições (o que causou a ira de mts fãs, que perderam seis capas) de 1988 a 1989.

Apesar de ter mais de 20 anos, ainda hoje trata de temas atuais e traz uma grande dose de crítica social, encoberta por simbolismos. Outra coisa interessante é que a mesma ação é contada sob diversos pontos de vista. Numa ação com vários super-heróis, cada um recorda a ação com níveis de detalhamento e perspectivas distintas e a somatória disso tudo, aliado à percepção única do leitor, vai, aos poucos permitindo o entendimento do que realmente se passou. Por isso o lance de ler várias vezes pra entender tudo direitinho…

———————————

A responsabilidade moral é um tema de destaque, e o título WATCHMEN refere-se à frase em latim “Quis custodiet ipsos custodes” ou “Who watches the watchmen?“, que em português seria: “Quem vigia os vigilantes?“.

## A HISTÓRIA

A trama é ambientada nos Estados Unidos, em 1985, em uma realidade alternativa na qual heróis mascarados são presenças comuns. Richard Nixon teria conduzido os EUA à vitória na Guerra do Vietnã e em decorrência deste fato, teria permanecido no poder por um longo período. Esta vitória, inclusive, seria devido a ajuda do personagem conhecido como Dr. Manhattan, um indivíduo dotado de poderes especiais, os quais o levam a possuir vasto controle sobre a matéria e a energia, elevando-o a um estado de semi-deus. Foi o primeiro da ‘nova era’ de super-heróis mais sofisticados que durou do começo dos anos 60 até a promulgação da Lei Keene em 1977.

A Lei Keene surgiu quando a polícia entrou em greve, e para evitar o caos, os aventureiros mascarados assumem o lugar da polícia e acabam por fazer um serviço bem melhor. Ameaçado, e até humilhado, o governo cria a Lei, para controlar esses heróis, exigindo que todos os se registrassem no governo. Com isso, a maioria dos vigilantes resolveu se aposentar, alguns revelaram suas identidades secretas para faturar com a atenção da mídia (caso de Adrian Veidt, o Ozymandias). Outros, como o Comediante e o Dr. Manhattan, continuaram a trabalhar sob a supervisão e o controle do governo e teve uns, como Rorschach, que passou a operar como um herói renegado e fora-da-lei, sendo freqüentemente perseguido pela polícia.

A trama principal de WATCHMEN abre com a investigação do assassinato de Edward Blake, logo revelado como sendo a identidade civil do vigilante mascarado conhecido como O Comediante. Tal assassinato chama a atenção de Rorschach, o qual passará toda a primeira metade da trama entrando em contato com seus antigos companheiros em busca de pistas, considerando praticamente todos como possíveis suspeitos.

Rorschach suspeita basicamente que o evento da morte de Blake estaria relacionado a um possível rancor de criminosos presos pelos heróis no passado, tese que ganha força à medida que outros ex-combatentes do crime e o próprio Rorschach são duramente atingidos por um aparentemente planejado ataque sistemático à suas integridade físicas e credibilidade.

Após o funeral de Blake, Dr. Manhattan é acusado de ter causado câncer em alguns companheiros de trabalho e até na namorada. Daí, ele resolve ir embora da Terra e vai viver em Marte. Como o Dr. Manhattan era a grande força dos EUA, a ausência dele gera uma bagunça na política mundial que culmina na invasão do Afeganistão pela URSS, que pretende lucrar com a visível fraqueza dos americanos no momento. Quando Adrian Veidt, o ex-Ozymandias, escapa por pouco de ser morto, as idéias paranóicas de Rorschach parecem se confirmar. Porém, quem acaba sendo indiciado e preso pela tentativa de homicídio é o próprio Rorschach. Agora, o casal Laurie e Dreiberg resolvem voltar a antiga profissão para ajudar Rorschach a se libertar e descobrir quem está por trás de toda a história.

Eu poderia até dizer como isso tudo termina, mas aí vai perder a graça. Até porque, tão dizendo que talvez o final seja diferente dos quadrinhos.

## PERSONAGENS PRINCIPAIS

Como os planos de Alan Moore de utilizar os heróis da Charlton Comics não tinham sido aprovadas, ele então, criou novos  personagens inspirados em alguns outros já conhecidos.

COMEDIANTE [Edward Morgan Blake]

Começou sua carreira de aventureiro mascarado em 1939, ‘limpando’ as docas de Nova York. Entrou para os Minutemen, mas foi expulso um ano depois por tentar estuprar Sally Júpiter. Em 1941 ele trocou seu uniforme amarelo por um mais pesado e forte, e se tornou um herói de guerra no Pacífico. Ele estava na 1ª reunião dos Combatentes do Crime em 1966; em algum momento ele começou a trabalhar para o governo, lutando no Vietnã (onde ele ganhou a cicatriz no rosto em 1971) e continuando na ativa mesmo depois da aprovação da Lei Keene.

Características: um homem que reconhece o horror presente nas relações humanas e se refugia no humor. Sua ironia é, em vários momentos, um reflexo amargo da percepção desse horror.

[Adaptado do Pacificador, com elementos inspirados em Nick Fury]

+ Habilidades: Força olímpica, perito em lutas e no uso de armamentos.

• Dr. MANHATTAN [Jon Osterman]

Após ser trancado acidentalmente em uma câmara de testes durante um experimento de física nuclear, o físico Jon Osterman foi completamente desintegrado. Mas, com isso, ele adquiriu vastos poderes, o primeiro dos quais a restituição do próprio corpo e ficou todo azul. Depois do acidente, Jon também teve sua capacidade emocional afetada, tornando-se quase incapaz de experimentar sentimentos. Passou a trabalhar para o governo americano realizando grandes feitos, dentre eles: ajudou os EUA a vencerem a Guerra do Vietnã e criou o carro elétrico. Trabalhou com alguns vigilantes mascarados e continuou na ativa mesmo depois da Lei Keene ser aprovada. Namorou e morou com Laurie Juspeczyk até 1985, quando ela o deixou. Depois de ser acusado de provocar câncer em antigos companheiros, inclusive seu assistente  Wally Weaver, e tbém na sua ex-namorada Janey Slater, ele deixa a Terra e passa a viver em Marte para colocar os pensamentos em ordem.

Características: vê a vida como apenas mais um fenômeno do cosmo. Incapaz de interagir com outras pessoas. É o único que realmente tem super-poderes.

[Adaptado do Capitão Átomo]

+ Habilidades: regeneração, força super-humana, controle sobre o espaço e o tempo, controle sobre a matéria e a energia, vôo, imortalidade, capacidade de se mover em altíssima velocidade, intangibilidade, teleporte, auto-duplicação, intelecto de gênio e uma quase completa clarividência. (Ufa!)

• OZYMANDIAS [Adrian Veidt]

Considerado o homem mais inteligente do mundo, abriu mão da fortuna deixada pelos pais e tornou-se um combatente do crime. Em 1975 se aposentou, revelando sua identidade ao público e tornando-se uma celebridade adorada por todos, além de ser um mega-empresário multibilionário que se fez por conta própria. Foi o único dos heróis a não sofrer com a rejeição da opinião pública e chega ao extremo para fazer o que considera certo.

Características: dotado de uma mente brilhante, com inteligência muito superior à de um homem comum e é movido por um obscuro senso de dever. Inspira-se em Alexandre, o Grande. Por ter um ego mt grande, costuma subestimar o resto da humanidade, tratando-a como escória.

[Adaptado do Thunderbolt]

+ Habilidade: é capaz de atingir a capacidade máxima de seu corpo e cérebro/mente, o que o leva a envelhecer mais lentamente e a ser um exímio acrobata. Tem força e agilidade extremas, além de grande habilidade de luta.

• CORUJA II [Daniel Dreiberg]

Filho de um banqueiro, após a morte do pai, Dreiberg usou sua imensa herança para projetar e construir uma série de equipamentos que mais tarde usaria para combater o crime. No começo dos anos 60 pediu a Hollis Mason, o primeiro Coruja, o consentimento para usar a identidade de Coruja e os dois se tornaram bons amigos. Como o Coruja, ele se aliou a Rorschach e a outros vigilantes mascarados. Inclusive, seus acessórios tem Corujas como tema. Se aposentou em 1977, imediatamente após a aprovação da Lei Keene. Em 1985 começou a namorar Laurie Juspeczyk e na mesma época voltou à ativa junto com ela, para ajudar Rorschach.

Características: um intelectual rico, solitário e retraído que se baseava mais na tecnologia do que na força bruta. É o mais “normal” do grupo, sem tantos conflitos psicológicos ou problemas, porém é mt sincero ao tratar das falhas do próximo.

[Adaptado do terceiro Besouro Azul (Ted Kord), com elementos do Batman]

+ Habilidades: conhecimento tecnológico, com uso de aparelhos e armamentos de alta tecnologia. Bom lutador com intelecto de gênio.

• RORSCHACH [Walter Joseph Kovacs]

Filho de uma prostituta e de um pai que nunca conheceu, sempre foi um garoto tímido e estranho. Em 1964, após ler uma matéria sobre o assassinato de Kitty Genovese, Kovacs criou uma máscara utilizando um tecido especial criado pelo Dr. Manhattan e assumiu a identidade de Rorschach. Outra inspiração dele foi nos quadrinhos do Super-Homem, que existem na história. Após a aprovação da Lei Keene, continuou agindo na ilegalidade e sendo perseguido pela polícia e governo. Em 1985, com o assassinato do Comediante, passou a investigar e tentar trazer de volta os antigos combatentes.

Características: incapaz de se relacionar plenamente com seu semelhante, projeta na luta contra o mal seu senso de solidariedade e constrói sua própria moral.

[Adaptado do Questão]

+ Habilidades: lutador cruel e perito investigador que possui força atlética e grande esperteza.

• ESPECTRAL II [Laurie Juspeczyk]

Filha de Sally Júpiter, a primeira Espectral, Laurie foi forçada pela mãe a seguir a mesma carreira e começou a atuar aos 16 anos, em 1966, na mesma época da primeira reunião dos Combatentes do Crime. Poucos meses depois ela teve um caso com o Dr. Manhattan (de quem foi assistente), chegaram a morar juntos mas em 1985, ela o deixa. Depois, se envolve com Daniel Dreiberg, o Coruja II. Em 1977, Laurie ficou mais do que satisfeita em se aposentar após a aprovação da Lei Keene.

Características: mulher forçada a viver à sombra do pragmatismo de sua mãe. Nunca chegou a ser uma ‘heroína’ de verdade, servia mais como assistente do Dr. Manhattan.

[Adaptada da Sombra da Noite]

+ Habilidades: força de nível atlético e habilidade de combate.

—————————————————————————————————

Os Minutemen foram a Era de Ouro dos heróis, enquanto os Watchmen são mais contemporâneos. A equipe se durou dez anos (1939-1949). Na foto tem a equipe reunida: Espectral I, Coruja I, Capitão Metrópolis, Mariposa, Silhouette, Comediante, Dollar Bill e Justiceiro Encapuzado.

O primeiro aventureiro mascarado a aparecer nos jornais na história de WATCHMEN foi o Justiceiro Encapuzado, em 1938. Seu nome verdadeiro é desconhecido, provavelmente tenha sido Rolf Müller, um levantador de peso de um circo. Se juntou aos Minutemen em 1939, permanecendo com eles até a separação, dez anos depois. Até sair do grupo, Sally Júpiter se portava como a ‘namorada do Justiceiro Encapuzado’ em público, escondendo que ele na verdade preferia os garotos (!). Supõe-se que tenha sido morto pelo Comediante em meados dos anos 50, como vingança por ele ter impedido o estupro de Sally, que causou sua expulsão do grupo.

————————————————-

“Foi somente quando nos reunimos que nossos problemas realmente começaram”

Hollis Mason

————————————————-

CORUJA I (Hollis J. Mason)

Foi o segundo vigilante mascarado da história. Seu pai era mecânico, e ele decidiu ser um policial. Inspirado pelos quadrinhos de Superman e no combate ao crime efetuado pelo vigilante, Justiceiro Encapuzado, decidiu se tornar um herói. Se juntou aos Minutemen em 1939 e permaneceu com eles até o fim. Em 1962 se aposentou, e passou a dirigir uma oficina de carros. Até que o jovem Daniel Dreiberg veio até ele pedir o direito de usar a identidade de Coruja. Impressionado com as idéias e tecnologias de Dreiberg, ele prontamente concorda e se tornam amigos. Na mesma época escreveu sua autobiografia, “Sob o Capuz”, onde contava sua origem, a formação os Minutemen e também podres de vários vigilantes mascarados, entre eles o Comediante.

Características: era alguém com um forte senso de dever, e que ansiava por relações mais ingênuas, onde o bem e o mal estivessem bem definidos.

[Adaptado do primeiro Besouro Azul (Dan Garret), o herói da Charlton mais famoso no Brasil]

+ Habilidades: força de nível atlético, habilidade em combate corpo-a-corpo.

ESPECTRAL I (Sally Juspeczyk, depois mudou o nome para Sally Júpiter)

Se tornou uma combatente do crime em 1939, por sugestão de seu agente, Laurence ‘Larry’ Shexnayder e se tornou membro dos Minutemen. Em 1940, o Comediante foi expulso do grupo por tentar estuprá-la. Aposentou-se em 1947, casando-se com Shexnayder. Em 1949 teve a filha Laurie Juspeczyk, que não era do marido. Depois de se divorciar, começa a treinar a filha para seguir seus passos.

Características: considerada na época uma sex symbol.

[Possui elementos da Canário Negro]

Sobre Luly*

Sou fascinada por Séries. Adoro ver filmes, de vários gêneros. Gosto muito de ouvir música, ainda mais se for rock (gospel ou não).
Esse post foi publicado em Atores, Atrizes, Cinema, Fotos & Posters, Livros, Playlist, Preview [Filmes], Sinopse, Super Estréias e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s